Resumo Trabalho

PSICOPEDAGOGIA E FIBROSE CÍSTICA: O OLHAR PSICOPEDAGÓGICO PARA AS INTERNAÇÕES RECORRENTES DOS PACIENTES COM FIBROSE CÍSTICA

Autor(es): ALEKSANDRA SALES, KELLY CRISTINA MARTINS, GIOVANNA MARA CIAMPI COSTA BARROSO, FLAVIANE MELO DE ANCHIETA e orientado por EDICLÉA MASCARENHAS

A Fibrose Cstica (FC) afeta mais de 70.000 pessoas no mundo. No Brasil, dados do Ministrio da Sade estimam aproximadamente 1,5 mil pessoas com Fibrose Cstica. No Rio de Janeiro, em estudo de Cabello e colaboradores a incidncia de FC foi estimada em 1: 6.902 nascidos vivos (Cabello et al., 1999) e crianas, em faixa etria escolar so afetadas direta e indiretamente por internaes recorrentes, o objetivo do trabalho foi analisar o impacto da interveno psicopedaggica hospitalar no desenvolvimento psicoeducacional infantil de pacientes com FC, identificando os possveis fatores positivos como sendo um diferencial significativo para a recuperao fsica, psicoemocional e social da criana hospitalizada. Para tanto, foram acompanhadas 20 crianas, de ambos os sexos, na faixa etria de 07 a 09 anos de idade, no Instituto Fernandes Figueira da FIOCRUZ (Fundao Oswaldo Cruz, RJ), hospital de referncia no tratamento da FC, afim de apresentar os aspectos da interveno psicopedaggica hospitalar como uma ferramenta de investigao do processo de aprendizagem humana visando identificar os fatores que desencadeiam dificuldades psicoemocionais e cognitivas ao desenvolvimento infantil. O acompanhamento foi realizado atravs de uma interveno semanal durante doze meses. Foram utilizados recursos e materiais, como brinquedos, jogos, livros e revistas, materiais diversificados, devidamente limpos, esterilizados e individualizados. As atividades foram organizadas por meio de planejamento prvio, porm preciso ressaltar que ele no imutvel dependia do estado fsico da criana. Buscou-se identificar as principais habilidades e dificuldades da criana hospitalizada em relao ao que era esperado para a sua etapa do desenvolvimento. Como resultado, foi observado que o trabalho favoreceu a evoluo da criana, pela possibilidade de poder brincar e ter atividades que no a deixasse confinada o tempo todo no leito. A superao das provveis perturbaes psicolgicas decorrentes da modificao do seu ritmo normal de vida no perodo de hospitalizao, atravs das atividades ludo pedaggicas, por meio do brincar, fez com que as crianas sassem da condio de vtimas e fossem estimuladas no desejo de retorno vida normal, atravs dessa interveno psicopedaggica durante o perodo de internao constatamos que este trabalho foi no s fator positivo como em muitas vezes decisivo no tratamento e na reabilitao da criana, auxiliando assim no tratamento mdico.

Veja o artigo completo: PDF