Resumo Trabalho

RESISTÊNCIAS DAS JUVENTUDES NEGRAS FRENTE À VIOLÊNCIA SIMBÓLICA NO COTIDIANO ESCOLAR: RELATO SOBRE UMA ESCOLA DE PERIFERIA

Autor(es): JULIANA DE SOUZA BARBOSA e orientado por DIÓGENES PINHEIRO

Esta pesquisa parte da dissertao de mestrado em andamento cujo objetivo refletir sobre trajetrias escolares de jovens negros e moradores de periferias, enfatizando as vrias formas de resistncias que desenvolvem frente s violncias simblicas presentes no ambiente escolar. Nesse sentido, busca-se compreender como se constituem os dispositivos e os mecanismos discursivos e de cultura escolar que apontam para a (re) produo social da escola e que neste sentido contribuem para instituir um "sistema de diferenas sociais" que so "hierarquizadas" e que possuem tambm uma funo "legitimadora" das convenes sociais estabelecidas pelo poder vigente. Tendo em vista a condio juvenil negra e perifrica e a vulnerabilidade social desta categoria no mbito educacional bem como em outras instncias da sociedade como o mercado de trabalho; violncia urbana; moradia, interessa pensar em que medida estes condicionantes afetam esta categoria, especificamente no que se refere ao seu reconhecimento cultural no mbito da cultura escolar. Por fim destaca-se os movimentos de resistncias juvenis populares que emergem mediante a atual conjuntura geopoltica, econmica e sociocultural e suas efetivas participaes. Utiliza-se como suporte terico metodolgico o conceito de Violncia simblica BOURDIEU (1998); Juventudes ABRAMOVAY (2006); REZENDE (1989) e condio juvenil GROPPO (2000), GONZALZ (1979) pesquisa de cunho bibliogrfico na tentativa de aprofundar tais reflexes.

Veja o artigo completo: PDF