Resumo Trabalho

O LIVRO DIDÁTICO DE HISTÓRIA E AS QUESTÕES SOBRE O POVO INDÍGENA E NEGRO

LUANA MICAELHY DA SILVA MORAIS

O presente artigo partiu de uma pesquisa em andamento de Iniciação Científica- PIBIC/CNPq intitulada “Livro Didático de História e as Questões sobre o Povo Indígena e Negro” que busca estudar a temática indígena e negra presente no Livro Didático de história dos anos iniciais do Ensino Fundamental adotados pelos professores da rede pública de ensino da cidade de Campina Grande-PB. Tivemos como objetivo geral, averiguar e analisar qual conteúdo da história e cultura do povo indígena e negro está representado nos livros didáticos de história dos anos iniciais do Ensino Fundamental utilizados nas escolas da Rede Municipal de Campina Grande. A metodologia utilizada em nossa pesquisa foi de natureza quantitativa e qualitativa, assim, tratando-se de uma pesquisa bibliográfica e documental porque fizemos uma abordagem sobre os conteúdos relacionados à temática indígena e afro-brasileira presentes no livro didático de história. A pesquisa contou com o levantamento das cinco coleções que mais se repetem e são adotadas pelos professores da Rede Municipal de Ensino da cidade de Campina Grande-PB. Após coletados os dados, selecionamos duas das coleções para serem analisadas, sendo elas, “Aprender Juntos” e “Girassol Saberes e Fazeres do Campo”. Após a leitura das referidas coleções, foram selecionadas e definidas as categorias a serem estudadas, sendo estas: Diversidade; África e Tráfico. Utilizamos como aporte teórico para fundamentar nossa pesquisa, uma leitura de documentos oficiais, como as Diretrizes Curriculares Nacionais para as Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana, os Parâmetros Curriculares Nacionais de Pluralidade Cultural, Albuquerque e Fraga filho (2006), Coelho (2010), Barros (2008), dentre outros. Sabemos que a Lei 10.639 acrescentou a temática afro-brasileira no ano de 2003 e cinco anos depois a Lei 11.645 acrescentou a temática indígena no currículo escolar. No ano presente (2018), esta alteração de Lei completa 10 anos, porém, os avanços ainda são mínimos. Estes subsídios representaram significativa importância no aprofundamento e entendimento da temática em questão. Faz-se necessário uma reelaboração do LD, de maneira que a história, a cultura indígena, africana e afro-brasileira seja contemplada, permitindo ao educando uma compreensão mais ampla de sua realidade como sujeito histórico. Para tanto, precisa-se intensificar os estudos e a formação inicial e continuada dos educadores para que tenham consciência da importância das temáticas aqui trabalhadas.

Veja o artigo completo: PDF