Resumo Trabalho

O GAROTO SILENCIADO (GS): MEDICALIZADO PARA O TRANSTORNO DE DÉFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE (TDAH) E O SILENCIAMENTO PARA A VIDA

JANETE MOURA TEIXEIRA

O presente relato de experiência tem por objetivo discutir como um diagnóstico de Transtorno de Défict de Atenção e Hiperatividade -TDAH na infância e o uso do tratamento farmacológico/medicalização pode influenciar no desenvolvimento crítico criativo no percurso escolar de um adolescente de uma escola pública no Município de Feira de Santana após observação do comportamento nas disciplinas de Língua Portuguesa e Redação. Foi objetivado também, fazer uma reflexão a respeito de que tipo de educação estamos oferecendo às nossas crianças que divergem do padrão que lhes é imposto e repensar a respeito dos benefícios e malefícios do uso da medicação na educação para melhorar o comportamento dos alunos que apresentam TDAH e o comprometimento dos familiares na condução socioemocional dos seus filhos. Sabemos que há um processo crescente de medicação na vida cotidiana do aluno com TDAH. O olhar reducionista sobre o diagnóstico e o uso da ritalina, e outros medicamentos, especificamente no tratamento do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), como forma de sanar problemas de ensino aprendizagem evidencia com o resultado desse relato a necessidade de atenção por parte dos profissionais da educação e familiares de forma cautelosa, devendo a criança ou adolescente ser respeitado quanto as suas condições socioemocionais e posicionamentos de resiliência perante as diversas situações que envolve as relações humanas e apreensão de novos conhecimentos. Evidencia-se o papel do professor e da família enquanto sujeitos reforçadores ou não de preconceitos e estereótipos de inibição e silenciamento do potencial criativo essencial ao pleno desenvolvimento dos sujeitos.

Veja o artigo completo: PDF