Resumo Trabalho

VEZ DO CORPO, VOZ DA CARNE: CORPOS TRANSGÊNEROS E IDENTIDADES EM DISCURSO

ANDERSON LINS RODRIGUES

Objeto crescente de interesse de pesquisas, o estudo da transexualidade tem se ocupado de questões que contemplam a diversidade e a contingência de gênero, sexualidade, identidade, corporalidade, entre outras, sobretudo, demonstrando interesse nos desdobramentos sociopolíticos da não conformidade com as normas de gênero (BUTLER, 2003) fundadas no binarismo masculino e feminino. Nesse sentido, os estudos sobre a transgeneridade também se interessam pelas narrativas de vida e organização social de pessoas e comunidades transgêneras, bem como os meios de produção cultural que representam ou expressam a diversidade de gênero, e, ainda, a medicalização das identidades transgêneras e despatologização das diferenças corporais. Observo que há no escopo dessas pesquisas um direcionamento para mudar as condições de produção do conhecimento sobre o fenômeno transgênero, fortemente circunscritos nos domínios do saber/poder (FOUCAULT, 1997) das ciências médico-biológicas, que ainda concebem a transgeneridade como condição clínica de transtorno de identidade de gênero. Esse trabalho, que é uma pequena amostra da nossa tese de Doutorado, se inscreve na esteira dessa perspectiva despatologizadora (BORBA, 2004), proposta por alguns estudos feministas e pela Teoria Queer, concebendo que os estudos transgêneros podem ser conduzidos a partir de uma ótica multidisciplinar, uma vez que têm objetos complexos, como o corpo, as memórias e as subjetividades de pessoas transgêneras. Dito isso, pretendemos revisar algumas bibliografias defender a ideia de que a identidade de gênero não é um a priori, mas uma construção social, histórica, ideológica que reveste de sentidos o corpo transgênero, ao definir/determinar o que é/como ser homem ou mulher.

Veja o artigo completo: PDF