Resumo Trabalho

DE QUEM SE FALA E PARA QUEM SE FALA? O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL

ANDRÊSSA GLAUCYARA SILVA RAMOS

No contexto escolar, há uma grande diversidade cultural e racial que nem sempre são contempladas. Considerar tais especificidades torna-se essencial para que entendamos a afirmação e reprodução de uma cultura hegemônica, a qual perpetua-se através do currículo e dos livros didáticos. Compreendendo a escola como um ambiente de encontro de diferentes culturas, discutiremos acerca do currículo como uma construção social, caracterizando-se como “arma” ideológica, que contribui para a supremacia de uma cultura dominante sobre as outras e, posteriormente, problematizamos acerca da discussão da temática étnico-racial no ensino de Geografia, a partir do livro didático e da Lei 10.639/03. Diante disso, apresentaremos reflexões acerca da Lei 10.639/03 que estabelece a obrigatoriedade do ensino de História e Cultura Afro-Brasileira em todo o currículo escolar, na qual trataremos especificamente no Ensino de Geografia para o Ensino Fundamental I. Neste sentido, temos como objetivo refletir como ensino e o livro didático podem contribuir para a perpetuação de práticas de exclusão e reforçar a supremacia de uma cultura dominante, desconsiderando a diversidade racial e cultural existente na sociedade e no próprio contexto escolar. Para tanto, a metodologia de estudo utilizada foi a pesquisa bibliográfica, por tratar de materiais já publicados sobre a temática, a fim de fundamentar tais discussões. Mediante o exposto, identificamos que o currículo não é neutro, havendo interesse de determinadas classes, que perpetuam-se através deste e, consequentemente, influencia diretamente no ensino.

Veja o artigo completo: PDF