Resumo Trabalho

INFLUÊNCIA DA DUPLA TAREFA NO DESEMPENHO FUNCIONAL DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON

Autor(es): THAÍS SANTOS CONTENÇAS, DÉBORA CAROLINA SOARES DE BRITO, RAFAELA BATISTA SOUZA e orientado por ERIK OLIVEIRA MARTINS

Introdução: A Doença de Parkinson (DP) acomete o Sistema Nervoso Central, principalmente os núcleos da base, caracterizada como uma doença crônica, degenerativa e com progressiva perda dos neurônios da parte compacta da substância negra, causando uma perda ou interferência na ação da dopamina. Objetivo: O objetivo do presente estudo foi avaliar a Influência da dupla tarefa no desempenho funcional de pacientes com Doença de Parkinson (DP). Métodos: Foram avaliados 11 pacientes com DP com idade superior a 50 anos, de ambos os gêneros, classificados entre os estágios de 1 a 3 da Escala de Hoehn & Yahr (H&Y). Para avaliação foram aplicadas escalas para verificar o equilíbrio estático e dinâmico e a mobilidade funcional assim como o risco de quedas: Escala de eficácia de quedas (FES-I Brasil) e Escala de Equilíbrio de Berg (EEB). A dupla tarefa e habilidade motora foi avaliada através do teste Timed Up and Go (TUG basal-TUGB), TUG associado a dupla tarefa motora (TUGM), e 3 testes TUG associado a duplas tarefas cognitivas (TUGC1, TUGC2 e TUGC3). Resultados: O TUGB obteve uma média de 12,80 ± 4,78 segundos. No TUGM a média foi de 12,93 ± 4,34 segundos. A média obtida no TUGC1 foi de 15,0 ± 6,50 segundos e no TUGC2 de 15,81 ± 7,90 segundos. O TUGC3 obteve uma média de 16,34 ± 10,50 segundos. Conclusão: Pacientes com DP necessitam de maior tempo para realizar duplas tarefas, principalmente quando está associada à atividade cognitiva, evidenciando comprometimento na mobilidade funcional com alto risco de quedas.

Veja o artigo completo: PDF