Resumo Trabalho

EFICÁCIA DOS EXERCÍCIOS FÍSICOS NO CONTROLE DA DEPRESSÃO EM IDOSOS

Autor(es): PEDRO RIBEIRO DAS CHAGAS e orientado por ANA KARINA DA CRUZ MACHADO

A depressão é um transtorno mental que ganhou notoriedade nos últimos anos, estima-se que 350 milhões de pessoas de todas as idades sofrem com esse transtorno (OMS, 2017). A chegada da velhice traz consigo a aposentadoria, perda da vivacidade e produtividade, sedentarismo, ociosidade, diminuição da vida social, e a presença de algumas patologias características do envelhecimento, e, quando não preparados para essa realidade, essa fase pode despertar sentimentos de desanimo e tristeza, tornando-os mais vulneráveis. Diversos estudos apontam que envelhecer de maneira ativa e praticar exercícios físicos colaboram na melhoria de quadros depressivos e na prevenção da doença. O presente trabalho tem como objetivo demonstrar a eficácia dos exercícios físicos no controle da depressão em pacientes idosos. A metodologia utilizada se trata de uma revisão sistemática de literatura, na base de dados Scielo, Library Online, entre outras. Os resultados apontam que além da psicoterapia e da medicação, os exercícios físicos contribuem com a melhora do quadro da depressão. Esses exercícios obedecem a protocolos específicos que avaliam sua eficácia, sendo que, cada idoso deve ter uma avaliação personalizada, porém, todos os estudos evidenciam a melhoria no quadro da doença, mesmo aqueles protocolos em que os exercícios são feitos pelas pessoas em suas próprias residências. Conclui-se que, o envelhecimento associado a exercícios, responde na sintomatologia de pacientes depressivos, evitando o agravamento da doença, existindo ampla diversidade de exercícios que podem ser adequados as condições de saúde ou de vulnerabilidade, porém, com eficácia comprovada de resposta na melhoria contínua da doença.

Veja o artigo completo: PDF