Resumo Trabalho

ESTUDO DA RESISTÊNCIA À COMPRESSÃO DE ARGAMASSAS COM LODO DE ESGOTO CALCINADO

Autor(es): MIRIAM DE NORMANDO LIRA, LEILA SOARES VIEGAS BARRETO CHAGAS, JOÃO VICTOR DA CUNHA OLIVEIRA, FRANKSLALE FABIAN DINIZ DE ANDRADE MEIRA

As mudanças acerca do processo de produção de determinados materiais construtivos ocorridas ao longo do tempo são cada vez mais constantes, e um dos exemplos é a utilização de resíduos de atividades de construção e demolição. Objetivando atingir a sustentabilidade na construção civil é de fundamental importância o desenvolvimento de soluções projetuais que minimizem os impactos ambientais e maximizem a conservação dos recursos naturais decorrentes do uso e da produção destes objetos. É nesse contexto que esse trabalho se insere, ao propor a utilização do lodo de esgoto na fabricação de argamassas através de substituição parcial do cimento, verificando a resistência à compressão axial. Os materiais utilizados foram: Cimento Portland do tipo CP II-F 40. A opção por ele se deve ao fato de ser o único comercializado na região sem a existência de materiais pozolânicos em sua constituição, já que as cinzas do lodo de esgoto denotam tal potencial quando reagem com o Ca(OH)2, produto de hidratação do cimento; água potável proveniente do fornecimento público da cidade de Campina Grande-PB; agregado miúdo que foi seco em estufa à temperatura de 110 °C, e após sua secagem o mesmo foi passado na peneira de abertura 4,78 mm, sendo desprezado o material retido, objetivando desta forma diminuir a influência da zona de transição entre o agregado e a pasta; Lodo de Esgoto que foi coletado na Estação de Tratamento de Esgotos (ETE Centro), da Companhia Pernambucana de Saneamento (COMPESA) do município de Petrolina-PE, que para obtenção da cinza realizou-se o processo de calcinação em forno mufla. Para o traço definido, no caso o traço 1:3, o cimento foi substituído parcialmente pelas cinzas do lodo de esgoto utilizando os percentuais de 5%, 10%, 15%, 20%, 25% e 30%. A partir das análises iniciais quanto à substituição do aglomerante hidráulico pelas cinzas do lodo de esgoto, observou-se que diante da substituição de 5% nos testes iniciais da pesquisa, o comportamento da argamassa não alterou-se drasticamente, mesmo que o processo de calcinação tenha ocorrido em temperatura ainda reduzida para conferir melhor reatividade pozolânica ao resíduo.

Veja o artigo completo: PDF