Resumo Trabalho

POTENCIAL DE TRAÇÃO NA FLEXÃO DE TIJOLOS MACIÇOS DE SOLO-CIMENTO COM IDADE DE HIDRATAÇÃO AVANÇADA

Autor(es): JOÃO VICTOR DA CUNHA OLIVEIRA, YOKINY CHANTI CORDEIRO PESSOA e orientado por FRANKSLALE FABIAN DINIZ DE ANDRADE MEIRA

Atualmente, as metodologias para avaliação das propriedades dos materiais de construção contribuíram significativamente para o melhoramento das técnicas de produção e promoção no que se refere à incorporação de resíduos em composições de matriz cimentícia. Com isso, o presente estudo expõe o desempenho de tijolos maciços de solo-cimento, compostos parcialmente por resíduo mineral da extração da scheelita, quanto à tração na flexão com idade de hidratação avançada. Os tijolos fabricados envolveram o cimento de classe CP II Z-32, solo proveniente de recorte de aterro para descarte (bota-fora de condomínio fechado), resíduo mineral da scheelita, e água de amassamento advinda de drenos de ar condicionado. O traço utilizado para a fabricação dos tijolos fixou o cimento em 10%, e 90% de solo areno argiloso, sendo substituído em faixas de 9% pelo resíduo em 5 traços. Após a conformação dos protótipos com o auxílio de prensa manual com pistão hidráulico, os mesmos permaneceram pelas primeiras 24 horas em atmosfera ambiente, para então passarem pela secagem acelerada em estufa com circulação de ar forçada à 200 °C por 24 horas. Posterior ao processo de secagem, os moldes retornaram para atmosfera ambiente até atingirem a idade de 180 dias, para então serem submetidos ao ensaio de avaliação do potencial de tração na flexão. Notou-se que o traço B1 com incorporação do resíduo em 9% proporcionou maior resistência à tração com 0,21 MPa, seguido do traço B, de referência, com 0,18 MPa, e do traço B3, com 27 % de resíduo mineral, com 0,15 MPa.

Veja o artigo completo: PDF