Resumo Trabalho

DESCONTAMINAÇÃO DE ÁGUAS OLEOSAS UTILIZANDO ARGILA CHOCOBOFE ORGANOFÍLICA E ZEÓLITA NAY

Autor(es): ANNA KAROLINE FREIRES DE SOUSA, ANTONIELLY DOS SANTOS BARBOSA e orientado por MEIRY GLAUCIA FREIRE RODRIGUES

Este trabalho teve como objetivo preparar a argila chocobofe organofílica por meio da substituição dos cátions (Na+) interlamelares da argila por cátions quaternários de amônio. Sintetizar a zeólita NaY, utilizando o método hidrotérmico. Além disto, caracterizar a argila chocobofe organofílica e a zeólita Y por Difração de raios X (DRX) e Fluorescência de raio X por energia dispersiva (FRX-ED). Além da preparação e caracterização, num segundo momento os adsorventes foram avaliados no processo de remoção de efluentes de derivados de petróleo em emulsões óleo/água, utilizando um sistema de banho finito. Os ensaios foram realizados nas condições de concentração 100 ppm, 200 ppm, 300 ppm, 400 ppm e 500 ppm para amostras com agitação, massa constante, tempo de 6 horas e temperatura igual a 25ºC, que possibilitou avaliar a percentagem total de remoção (%Rem) e a capacidade de remoção de óleo no equilíbrio (qeq). De acordo com os ensaios de difração de raios X e FRX-ED verificou-se que o sal quaternário de amônio (Genamin) foi intercalado na argila chocobofe natural, evidenciando assim o processo de organofilização. Verificou-se também a obtenção da zeólita NaY. Quanto à eficiência no processo de remoção, os adsorventes utilizados (argila Chocobofe organofílica e zeólita NaY) apresentaram valores de percentagem de remoção (%Rem), 98,95 e 99,29 % e capacidade de remoção (qeq) 43,87 e 17,78 respectivamente para o processo com agitação. A zeólita NaY foi mais eficiente que a argila Chocobofe, sendo uma alternativa economicamente viável devido ao seu baixo custo quando comparado com outras zeólitas.

Veja o artigo completo: PDF