Resumo Trabalho

GILSON LOPES DA SILVA e orientado por MARLÚCIA MENEZES DE PAIVA e orientado por MARLÚCIA MENEZES DE PAIVA

Por meio desse trabalho analisamos a atuação dos professores de Escolas de Primeiras Letras na cidade do Assú, interior do Rio Grande do Norte. Esse modelo educacional foi criado a partir da Lei de 15 de outubro de 1827 que instituía essas escolas de ensino primário nas cidades, vilas e povoados do recém criado Império brasileiro A implantação das escolas na cidade ocorreu ainda quando era chamada de Vila Nova da Princesa e desenvolvia importantes atividades econômicas no interior do estado com a indústria de carne seca, ou charqueadas. Com a elevação à categoria de cidade do Assú em 16 de outubro de 1845 outras importantes atividades econômicas foram se desenvolvendo na região por meio da produção do algodão e da extração da cera de carnaúba e aceleraram transformações no espaço urbano da pequena cidade sertaneja. As principais características do ensino no Império é que as escolas poderiam funcionar na residência dos próprios professores ou em outros lugares adaptados, sendo os mestres também considerados o centro do processo educativo e o ensino ocorria por meio do método mútuo. A Lei de 15 de outubro também ofertava escolas para meninos e meninas, mas com algumas distinções no conteúdo. Na cidade do Assú, os principais professores do período imperial foram José Felix do Espírito Santo, Maria Joaquina Ezequiel da Trindade, Elias Souto, Luiza de França, Manoel Assis e Olegário Olindino, entre outros que colaboraram com a formação de diversas gerações de assuenses. Contudo, ocorriam diversos entraves para o funcionamento das Escolas de Primeiras Letras e os salários dos professores eram estipulados a partir de métodos discriminatórios.

Veja o artigo completo: PDF