Resumo Trabalho

ANNA CARLA FERREIRA DE ARAÚJO, ANNA CRISTINA FERREIRA DE ARAÚJO, CARLOS AUGUSTO BATISTA DE SENA

O presente artigo propõe uma reflexão da temática sexualidade entrelaçada ao processo educativo, visto que o tradicional ambiente de ensino limita a discussão dessa transversalidade, a gerar “prisões” que se concretizam no espaço escolar e se manifestam de forma negativa na sociedade. As transformações atreladas ao desenvolvimento humano são de fundamental importância na construção da identidade dos membros sociais, tendo em vista os fenômenos presentes na sociedade hodierna, principalmente quando se trata de temas transversais, ou seja, em relação às questões emergentes da modernidade, faz-se necessário a aplicação de práticas de cunho pedagógico a fim de explanar esses assuntos em salas de aula. A metodologia utilizada nesta pesquisa foi exclusivamente bibliográfica, onde se buscou exibir os fatores que isentam o setor escolar a trabalhar tais assuntos inerentes à curiosidade e às necessidades dos alunos, acarretando numa limitação na exposição dos conteúdos de maneira mecanizada. Sabe-se ainda que as escolas aparentam não estarem preparadas para a dimensão da sexualidade, visto que tendem a se apoiar em tabus que norteiam ambientes de ensino, propagando, assim, a ideia de homogeneidade no contexto escolar. Com a conhecida história de repressão que acomete os diversos grupos de gêneros existentes socialmente, é imprescindível a aplicação de práticas pedagógicas condizentes com tal pluralidade, na qual permita a conscientização do respeito às diferenças e também do aprimoramento e aplicação de métodos para se evitar as infecções sexualmente transmissíveis. Portanto, o ambiente escolar pode possibilitar a mudança, na medida em que rompe com os estereótipos sexuais construídos culturalmente e se dispõe a interpretar as informações advindas da indústria midiática, contribuindo, dessa forma, para a formação do indivíduo enquanto ser crítico.

Veja o artigo completo: PDF