Resumo Trabalho

ISABELLA HELLEN ESTEVÃO DA SILVA, ERYELLE CRISTINA NASCIMENTO MOTA e orientado por VIVIA DE MELO SILVA e orientado por VIVIA DE MELO SILVA

Este artigo tem como objetivo refletir acerca dos Movimentos de Alfabetização no período ditatorial na Paraíba. A temática alfabetização trata-se de um tema bastante complexo que se desdobra em várias facetas, que perpassam técnicas e métodos, dos quais surgem inúmeras discussões. Para desenvolvimento deste estudo fizemos uso de fontes históricas, como jornais, fotografias e livros, encontrados nos acervos da Biblioteca Central da UFPB, no Instituto Histórico e Geográfico Paraibano (IHGP), além de entrevista realizada com uma Professora de História da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Como resultados, identificamos os movimentos de alfabetização presentes no período ditatorial, a saber: Sistema Rádio Educativo da Paraíba - Sirepa (1959-1969); Campanha de Educação Popular - Ceplar (1961-1964); Cruzada de Ação Básica Cristã - Cruzada ABC (Pós Abril de 1966-1970) e por fim o Movimento Brasileiro de Alfabetização - MOBRAL (1970-1985). O nível de analfabetismo era bastante elevado durante esse período e o principal objetivo do Governo era erradicá-lo, considerando-o fator responsável pelos demais problemas que o país enfrentava, atendendo às necessidades advindas com a crescente industrialização, fruto da influência do capital estrangeiro. Observamos também que a Ditadura de 1964 basicamente findou a pedagogia libertadora defendida por Paulo Freire, pedagogia essa que embasava alguns desses movimentos de alfabetização. Este período da nossa história educacional implantou uma nova política educacional considerada antidialógica, deixando os alunos sem base para um pensamento crítico, visto que, o pensamento crítico seria a melhor defesa para lutar pela democracia. Assimilamos, ainda, através desse estudo todo retrocesso, repressão, tortura e autoritarismo que perpassou a educação nesse longo e rigoroso período.

Veja o artigo completo: PDF