Resumo Trabalho

RENATA DA COSTA LIMA, MARIA DA CONCEIÇÃO CARRILHO DE AGUIAR

A frequência com que a formação continuada tem sido reduzida ou tratada como sinônimo de capacitação, de treinamento, de aperfeiçoamento, de atualização, de reciclagem, entre outros termos, foi o que nos motivou para a realização desta pesquisa. Corriqueiramente percebe-se nos discursos de professores, de gestores, de coordenadores e de autores a redução da formação continuada a momentos específicos de cursos e a modelos formativos como reciclagens e capacitações, por exemplo. Diante disso, buscamos compreender quais representações sociais de formação continuada são compartilhadas por professores universitários. Para tanto, tomamos como categoria central a formação continuada. Essa categoria foi analisada a partir da teoria das representações sociais, tendo como suporte teórico e metodológico a abordagem estrutural, mais especificamente quanto aos elementos que constituem o núcleo central. Participaram da pesquisa 84 professores universitários das diferentes áreas de conhecimento (humanas, exatas e saúde) da Universidade Federal de Pernambuco, respondendo a um teste de associação livre de palavras. A organização dos dados coletados com o teste de associação livre de palavras foi feita com o auxílio da análise prototípica do software IRAMUTEQ e com a análise de conteúdo (análise temática) proposta por Bardin. Os resultados apontaram que a representação social de formação continuada compartilhada pelos colaboradores da pesquisa possuem um sentido ao mesmo tempo amplo e restrito para essa formação. Constatamos também que os elementos que constituem o núcleo central dessa representação social são majoritariamente funcionais, indicando que os professores universitários estabelecem uma relação prática com esse objeto, revelando uma preocupação dos docentes universitários em vivenciar formação continuada.

Veja o artigo completo: PDF