Resumo Trabalho

ENSINO DE CIÊNCIAS: MOBILIZAÇÃO PERMANENTE DE CULTURA À LUZ DA EPISTEMOLOGIA BACHELARDIANA

DAYANA HAENISCH, MARCELO LAMBACH

O estudo busca analisar como a categoria “obstáculos epistemológicos”, presente na epistemologia de Gaston Bachelard, com destaque ao obstáculo denominado “experiência primeira”, pode contribuir para melhor compreender como tal categoria pode influenciar no processo de ensino e aprendizagem, com ênfase ao ensino de ciências. Esse estudo de aproximação com a epistemologia bachelardiana tem como objeto o ensino de ciências para um público específico, seja ele, crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade e risco social, acolhidos em abrigos de Curitiba, considerando que essas crianças e adolescentes têm sua especificidade no que se refere à exposição nas mais amargas condições de desenvolvimento. O objetivo é o de relacionar o ensino de ciências em tais espaços educacionais com o obstáculo epistemológico, experiência primeira, identificando se esse pode ser compreendido também como “obstáculo pedagógico” para a aprendizagem de conceitos científicos. Entendemos que o pensamento científico bachelardiano pode promover reflexões no que tange as metodologias pedagógicas de ensino de ciências utilizadas, bem como a prática educacional pautadas na constante mobilização permanente da cultura, seja no âmbito da educação formal ou não formal, visando à diminuição ou superação das barreiras para a apropriação do conhecimento ou promoção do conhecimento científico do sujeito cognoscente. Para Bachelard o conhecimento científico é inacabado, contínuo e inesgotável, este é um recorrente processo de evolução em que se rompe com conhecimentos anteriores, retifica-se pelos erros cometidos e dá lugar ao novo conhecimento, sendo esse pensamento epistemológico bastante valoroso para o desenvolvimento do ensino de ciências nos mais diferentes espaços educacionais.

Veja o artigo completo: PDF