Resumo Trabalho

POTENCIAL DE APLICAÇÃO DO BAGAÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR E DO ARROZ NA REMOÇÃO DE CONTAMINANTES PRESENTES NA ÁGUA PRODUZIDA DE PETRÓLEO

Autor(es): MAYRA ALMEIDA CAVALCANTE, LEILA MARIA DE MELO MARQUES, FERNANDO DANTAS DE SANTANA JUNIOR, KILTON RENAN ALVES PEREIRA e orientado por FABIO PEREIRA FAGUNDES e orientado por FABIO PEREIRA FAGUNDES

Apesar dos imensos avanços ocorridos no setor petrolífero quanto à inovação de seus processos tecnológicos, ainda existem alguns problemas preocupantes. Um exemplo disso refere-se à água produzida. O tratamento e descarte tem se tornado um dos maiores desafios do setor petrolífero. A problemática consiste na dificuldade de degradação dos compostos até um nível adequado que permita o descarte seguro no meio ambiente, assegurando a possibilidade de reutilização ou descarte nos padrões estabelecidos pelos órgãos ambientais. Esse fato tem incentivado pesquisadores a direcionar estudos para encontrar alternativas capazes de remover de forma eficiente os contaminantes presentes nessa água com um custo inferior comparado às demais tecnologias existentes. Assim, esse trabalho tem por finalidade utilizar materiais adsorventes de alta porosidade e com alto teor de sílica, como o bagaço da cana-de-açúcar e de arroz, com o intuito de remover o teor de óleo cru presente na água produzida. O processo de adsorção do óleocru na superfície de cada suporte ocorreu em intervalos pré-estabelecidos e com concentrações de contaminante e adsorvente diferentes. Foi realizado um mapeamento por modelagem fatorial (32) para avaliar o efeito das interações ocorridas entre a concentração de cada suporte em relação ao contaminante. A partir dos resultados obtidos, foi verificado que a calcinação do bagaço de cana-de-açúcar e do arroz foi fundamental para eficiência do sistema. Em todos os sistemas foi observado um aumento do percentual de remoção utilizando esses adsorventes, sugerindo que ambos representam uma aplicação promissora no avanço de tecnologias responsáveis pelo tratamento da água produzida.

Veja o artigo completo: PDF