Resumo Trabalho

UTILIZAÇÃO DA CINZA DA CASCA DO ARROZ EM SUBSTITUIÇÃO AO CACO3 EM FLUIDOS DE PERFURAÇÃO AQUOSOS

Autor(es): JARDEL HUGO GONÇALVES PAIVA, BEATRIZ FERRAZ MARTINS e orientado por KEILA REGINA SANTANA FAGUNDES e orientado por KEILA REGINA SANTANA FAGUNDES

Pode-se definir fluidos de perfuração como fluido circulante usado para tornar viável uma operação de perfuração. De forma geral são dispersões complexas de sólidos, líquidos e gases, geralmente constituídas de duas fases: um dispersante (aquosa ou orgânica) e outra dispersa, cuja complexidade depende da natureza dos produtos dispersos, requisitos e funções necessárias. Entre as principais funções e especificações que um fluido de perfuração deve conter, destaca-se: ser estável quimicamente, estabilizar as paredes do poço, manter sólidos em suspensão, ser bombeável, entre outros. Nesse contexto tem-se três principais formas de classificar o fluido, de acordo com a sua composição, mas especificamente relacionado ao principal constituinte da fase continua ou dispersante, dentre eles são: fluido a base água, a base óleo, ou ainda a base ar ou gás. A pesquisa tem como objetivo analisar a influência de um fluido de perfuração à base água, utilizando a cinza da casca do arroz como aditivo substituindo um aditivo mais comum e comercial, no caso o CaCO3. Os resultados obtidos levaram a conclusão que o aumento de granulometria e da concentração da cinza da casca do arroz na faixa estudada não apresentou um forte incremento nos parâmetros reológicos, entretanto os fluidos apresentaram uma redução do volume de filtrado devido a cinza apresentar menor área superficial. Logo, a substituição e utilização da cinza da casca do arroz como aditivo foi relevante e satisfatório, uma vez que quando comparado com os resultados obtidos com o CaCO3, os mesmos apresentaram valores próximos.

Veja o artigo completo: PDF