Resumo Trabalho

A “CULTURA NERD” COMO EIXO TEMÁTICO PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

ALINE TICIANA DE ANDRADE DANTAS, MAGLIANA RODRIGUES DA SILVA, EVERTON ALVES MENEZES, JOSIELIO PEREIRA MARINHO, KELLY APARECIDA ALMEIDA GOUVEIA

No atual cenário educacional, a adoção de uma prática docente mais atrativa e que dialogue com o contexto dos alunos se torna de fundamental importância. O estudo de língua portuguesa, considerado chato e enfadonho, recebe esse “rótulo” de grande parte dos estudantes porque é reflexo da “tradição” que se propaga há décadas no nosso sistema educacional. Nesse contexto, acreditamos que a temática da “cultura nerd”, através do desenvolvimento de um trabalho com plano de atividades sequenciadas, cria subsídios necessários para um ensino de língua que dialogue mais facilmente com a realidade dos educandos e possibilite a adoção de uma prática diferenciada, haja vista a utilização de linguagens próximas à realidade dos alunos, como a das redes sociais e do gênero HQ (histórias em quadrinhos). Sob essa perspectiva, o projeto Base Artística e Reflexiva, pertencente ao PIBID/Letras, da Universidade Estadual da Paraíba, desenvolveu, no semestre 2017.2, um plano de atividades sequenciadas, com a temática citada, para alunos do ensino fundamental da Escola Estadual de José Pinheiro, em Campina Grande-PB. Nesse sentido, este trabalho objetiva refletir sobre uma experiência de ensino que utiliza a linguagem das redes sociais através da escrita, a competência de leitura e produção textual a partir do gênero HQ, os aspectos da oralidade na construção do gênero e, ainda, a análise das variantes linguísticas pertencentes ao grupo dos “nerds”, mostrando o quanto a prática educacional com a linguagem coloquial se faz necessária para a formação do cidadão crítico e criativo. Percebemos que, através dos meios virtuais, o ensino/aprendizagem d¬¬¬¬¬e língua portuguesa torna-se muito mais atrativo e dinâmico para professores e alunos. Como aporte teórico, nos embasamos nas perspectivas da sociolinguística, dando ênfase à variação linguística; em documentos oficiais, como a Lei de Diretrizes e Bases (1996) e Parâmetros Curriculares Nacionais (1998); e também em Marcuschi (2005), Barbosa (2009), Kleiman (2009), que, dentre outros estudiosos, auxiliam na construção e efetivação da prática docente.

Veja o artigo completo: PDF