Resumo Trabalho

A FORMAÇÃO METODOLÓGICA DO EDUCADOR FILOSÓFICO, SEGUNDO A PERSPECTIVA NIETZSCHEANA

RAFAELA MENDONÇA DE ALMEIDA, VALMIR PEREIRA, EDUARDO FELIPHE DANTAS DE ARAÚJO

Este estudo tem como objetivo compreender como se dá a formação metodológica do educador filosófico do ponto de vista de Nietzsche. Uma vez que ele é crítico da educação contemporânea e erudita, bem como do sistema educacional de sua época. Apesar de não ter escrito muita coisa sobre educação foi um grande comentador sobre a mesma. Nietzsche e Hegel compactuam de um pensamento semelhante, vendo que ambos instigam a liberdade do pensamento, assim como a diversidade de ideias, o enriquecimento do ser, como um sujeito pensante e criador de conceitos. É necessário, antes de educar o outro, educar a si mesmo. A adolescência é o momento em que os alunos começam a conhecer e aprender filosofia pois é o momento em que a mente está em formação e o senso crítico está se formando, cheio de perguntas e inquietações, ansiando por respostas e explicações, sendo este o momento que passam a conhecer a filosofia e aprendem a sua importância e como desenvolvê-la. É uma formação de homens superiores e livres, superiores quando decidem pensar e conhecer as coisas, livres para pensar sobre tudo. O professor deve ser um modelo a seguir, ou seja, um exemplo. Homem livre, Educador, construção de ideias e critico a educação moderna. Ela causava o empobrecimento do homem. Ele pensa a educação como uma forma de fazer com que o ser humano progrida, e esse progresso é dado a partir da liberdade de espírito e pensamento. A educação requer um tipo de atenção mais delicado, à medida que é a partir dela que os conceitos são formados, é necessário ter uma boa base educacional, com professores que estejam qualificados para desempenhar tal papel e possam fazer com os alunos sejam bem instruídos nos conhecimentos científicos.

Veja o artigo completo: PDF