Resumo Trabalho

A CONSTRUO DIALGICA DE IDEIAS E CONCEITOS SOBRE GNERO E SEXUALIDADE COM CRIANAS E ADOLESCENTES EM ESPAOS DE EDUCAO INFORMAL A PARTIR DA EXPERINCIA EXTENSIONISTA POPULAR

Autor(es): JOO VITOR RODRIGUES MARTINS, FELIPE ROCHA DA SILVA

O artigo se baseia na experincia e no debate extensionista popular do Projeto Universitrios Vo Escola , da Universidade de Braslia. Criado em 2005, com atuao em Itapo-DF, o projeto composto de crianas e adolescentes de 6 a 17 anos e estudantes universitrios. Aps mais de uma dcada de existncia e passando por diversas reformulaes internas ao longo deste perodo, a UVE se prope a ser um projeto de extenso que busca o dilogo com novas formas de saber libertrias e emancipadoras, objetivando a construo de um espao pedaggico que rompa com posies polticas e epistemolgicas hegemnicas, entrando em contato e desenvolvendo, assim, atitudes e concepes afirmativas que, at ento, so marginalizadas e oprimidas. Diante desse contexto, ao longo da atuao do projeto em Itapo, os temas de sexualidade e identidade de gnero surgem a partir de variadas situaes, como por questionamentos sobre o significado de diferentes conceitos e termos, pela expresso homofbica a partir de xingamentos verbais ou escritos, pela indagao sobre a sexualidade contra-hegemnica de orientadores e orientadoras ou enquanto tema central das atividades desenvolvidas. Falas e situaes que, pela diversidade de pensamento, expresso e vivncia das crianas e adolescentes, podem vir como significantes de entendimentos de rejeio, aceitao ou de dvida sobre, por exemplo, homossexualidade, bissexualidade, transgeneridade, desejo e gnero. A resposta tradicional que poderia ser mobilizada passa pela articulao e transmisso de saberes rgidos, adotando conceitos fixos sobre gnero e sexualidade. Uma ao pautada pelo depsito de contedos a partir de uma pedagogia que objetiva a padronizao do que est sendo transmitido sem um dilogo e sem levar em considerao a realidade e os processos do educando, que tratado enquanto objeto do fazer pedaggico. A extenso, porm, ao se basear em noes de troca de saberes, horizontalidade e respeito e adequao s diferentes subjetividades e contextos encontrados durante sua prtica, rejeita tais lgicas. Uma educao emancipadora e libertria pressupe a quebra da colocao do educador em posies superiores de poder enquanto detentor de um saber que deve ser transmitido sem ser transformado e questionado pelo educando. A libertao da situao de oprimido e uma construo do ser mais rompem com dicotomias tradicionais do espao educacional. Assim, pretendemos apresentar neste trabalho as discusses promovidas pelo projeto, pensando em maneiras de desenvolver coletiva e dialogicamente respostas s aes e aos questionamentos encontrados. Partimos da ideia, ento, de que o combate heteronormatividade e a construo de uma afirmao identitria pautada pela cidadania e pela libertao passam por experincias pedaggicas que se posicionam fora do espectro bancrio tradicional. A extenso universitria prope o rompimento com a lgica vertical do saber hegemnico cientfico na construo de uma unidade dialtica entre conhecimento do concreto, sabedoria popular e cientificidade acadmica. Alinhando-se, ento, com o questionamento heteronormatividade expressa nas relaes entre orientadores, orientadoras, crianas e adolescentes do projeto apontamos formas educacionais informais questionadoras e libertrias visando construo dialgica de um debate que abarque tanto as expresses marginais como hegemnicas de sexualidade e identidade no ambiente de nossas atividades.

Veja o artigo completo: PDF