Resumo Trabalho

SEXUALIDADE ATRS DAS GRADES: CONTROLE E TRATAMENTO DE SFILIS E OUTRAS INFECES SEXUALMENTE TRANSMISSVEIS ENTRE HOMENS NO SISTEMA PRISIONAL

Autor(es): JOSIAS ALVES DE OLIVEIRA, CARLOS ALBERTO PORCINO, LORENA CARDOSO MANGABEIRA CAMPOS, MARLUCE RUFINO SOUSA e orientado por JEANE FREITAS DE OLIVEIRA e orientado por JEANE FREITAS DE OLIVEIRA

Introduo: As insalubres condies do sistema penitencirio contribuem para disseminao de doenas contagiosas, em especial infeco pela sfilis e HIV/AIDS, constituindo grave fator de risco sade dos detentos, seus contatos, sobretudo familiares e equipe atuante no mbito prisional. Essas interaes relevam que as infeces no ficam restritas aos muros dos estabelecimentos penais. Garantir o direito sade das pessoas privadas de liberdade um desafio para equipe de enfermagem. O objetivo do trabalho descrever aes da equipe de enfermagem para preveno, tratamento e controle de doenas sexualmente transmissveis num complexo penitencirio masculino. Metodologia: Trata-se de um relato de experincia da equipe de enfermagem no planejamento e execuo de atividades preventivas, tratamento e controle de infeces sexualmente transmissveis num presdio masculino de Salvador/BA. Resultados e Discusso: Foram realizadas rodas de conversas, quinzenalmente, para grupos distintos de internos e companheiras (os), abordando questes sobre sexualidade, preveno e reduo de danos. A distribuio de preservativo masculino foi acompanhada de orientao educativa, antes das visitas ntimas e no cotidiano para os internos. A periodicidade dos exames laboratoriais, consulta com infectologista e distribuio dos antirretrovirais para os infectados constituram aes de tratamento e controle, mantidas mediante articulao com a rede pblica municipal e estadual de sade. Concluso: Assegurar aos apenados os direitos humanos fundamentais previstos na Constituio Federal/1988 e na legislao do Sistema nico de Sade, atribuir-lhes o estatuto da igualdade e cidadania, transform-los em semelhantes, o que no significa a defesa do seu crime, mas da sua condio humana.

Veja o artigo completo: PDF