Resumo Trabalho

A LINGUSTICA QUEER NA FORMAO DOS PROFESSORES DE LETRAS

Autor(es): JOS DANIEL CORDEIRO PEREIRA e orientado por ISMAR INCIO DOS SANTOS FILHO e orientado por ISMAR INCIO DOS SANTOS FILHO

O presente trabalho discute a necessidade que h de renovao da prtica docente no contexto educacional, mostrando que possvel trabalhar nas aulas de lngua portuguesa questes ligadas a gnero e a sexualidade por meio de propagandas veiculadas no nosso contexto, tal como apresenta o professor Ismar Incio dos Santos Filho (2017b) na palestra Nas Letras, lngua(gem) e questes identitrias (de gnero e sexualidade), disponvel no link . Para esse linguista, alm de trabalhar os contedos ditos de Lngua Portuguesa, faz-se necessrio discutir temas presentes em nosso cotidiano, como gnero e sexualidade, levando alunos e alunas a entender que no se deve pensar em homem e mulher apenas como sujeitos heterossexuais, isso porque a nossa sociedade e aqueles e aquelas que compem o mbito escolar apresentam diversas sexualidades e gneros distintos. Com Santos Filho (2017b), aprendemos que a identidade de gnero e a sexualidade no so inerentes ao ser humano, ou seja, no so caractersticas inatas. Ou seja, gostar, amar, sentir atrao por pessoas do mesmo sexo um constructo social, bem como ningum nasce masculino ou feminino, mas se est masculino e se est feminino (SANTOS FILHO, 2017a). Portanto, de suma importncia que o professor tenha a sensibilidade e entender que a lngua no deve ser pensada como um sistema isolado ligado gramtica normativa e a sua estrutura, mas que trabalhar com linguagem abordar questes identitrias ligadas a gnero e a sexualidade. Logo, o ensino e a aprendizagem de portugus no so neutros. Portanto, esse deve causar uma exploso de reflexes a respeito do pblico dissidente de gnero e sexualidade que alvo de preconceito, desrespeito e intolerncia. Mas, para trabalhar de maneira contextualizada, abordando a presente temtica, necessrio que o professor entenda que existe uma relao entre lngua, linguagem, sociedade, cultura e cognio.

Veja o artigo completo: PDF