Resumo Trabalho

MINHA ARMA AGORA A BOCA: ANLISE DOS IMAGINRIOS SEMIOCNICOS DE SUJEITAS MARGINALIZADAS

Autor(es): MARIANA PINTER CHAVES

O presente trabalho busca realizar um estudo dos sujeitos femininos do espetculo de Teatro Documentrio As rosas no Jardim de Zula, de 2012, sob a perspectiva Semiocnica (CORDEIRO, 2005). Por meio do mtuo cruzamento das Artes Cnicas com a Teoria Semiolingustica de Patrick Charaudeau, tomamos o espetculo encenado como um ato de linguagem, objetivando identificar por quais maneiras imaginrias a figura feminina representada na contemporaneidade e quais so as condies que a cercam. Esse espetculo apresenta dramaturgia documentria (GIORDANO, 2014), pois faz uso da reutilizao de documentos histricos e possui, ainda, momentos de reflexo sobre o prprio processo artstico como particularidade, o que o torna objeto de instigante reflexo social. A pesquisa parte da hiptese de que o ambiente teatral e o gnero documentrio, em especial, devido a sua finalidade poltica e por inserir estticas do real (MENDES, 2012) em cena, se apresentaria como um lcus de denncia e resistncia, como um espao de passagem de concepes cristalizadas para concepes de busca, resgate, emancipao, aceitao e reinsero do sujeito feminino na sociedade. Por meio de uma metodologia emprico-dedutiva, examinamos os atos linguageiros da pea: alm da presena in loco, utilizamos um vdeo de uma das apresentaes do espetculo e transcrevemos trechos dos discursos das personagens para orientarem nossa anlise. A investigao aponta que as opresses contra essas mulheres so marcadas discursivamente, evocando saberes de crena de opinio relativa e imaginrios sociodiscursivos (CHARAUDEAU, 2007; 2008) de sujeitas que, devido s suas escolhas pessoais e profissionais, so encaradas como marginalizadas.

Veja o artigo completo: PDF