Resumo Trabalho

INTERSECES DE GNERO E SEXUALIDADE NO ENSINO DE ESPORTES: FUNCIONAMENTOS DA HETERONORMATIVIDADE NO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAO FSICA DO CFP/UFRB

Autor(es): TAISLANE NUNES SANTANA e orientado por ANA CRISTINA NASCIMENTO GIVIGI e orientado por ANA CRISTINA NASCIMENTO GIVIGI

O presente artigo o resultado parcial de uma pesquisa vinculada ao Programa Institucional de Bolsas de Iniciao Cientfica (PIBIC) cujo objetivo foi a anlise da relao entre gnero, sexualidade, ancestralidade e o desenvolvimento de prticas esportivas na formao em Educao Fsica no Centro de Formao de Professores da Universidade Federal do Recncavo da Bahia (CFP- UFRB), localizado no Vale do Jiquiri, na cidade de Amargosa-BA. Investigamos como xs discentes e professorxs, nossxs sujeitos de pesquisa, compreendem a relao gnero/sexualidade/ancestralidade e o desenvolvimento de prticas esportivas durante o processo formativo. Trata-se de uma cartografia que lana mo da abordagem qualitativa, de natureza analtica, cujos procedimentos foram entrevistas semiestruturadas, entrevista coletiva (ainda em realizao) e observaes de campo. A cartografia busca fazer mapas de relaes de fora que desenham como atuam as tecnologias de gnero produzidas e em circulao nesse local de ensino-aprendizagem. Tambm buscamos compreender como xs docentes se relacionam/intervm nesse contexto, se seus planejamentos e metodologias so pensados para a desestruturao/desarticulao dos arranjos de biocdigos do sistema binrio que sustentam os discursos heteronormativos, e como os discentes se posicionam frente a tais discursos. Como as prticas fundadas na heterossexualidade compulsria se conformam durante as prticas esportivas, principalmente nos esportes coletivos, onde a interao entre os gneros e as mltiplas sexualidades se apresenta de maneira mais intensa e perceptvel? Como as regras e tecnologias do esporte incidem sobre a cultura corporal j construda pelo saber pretrito e circulante nos fazeres dirios destes que aqui chegam? A concluso dessa pesquisa muito provavelmente no trar solues/respostas evidentes para as grandes minorias que esto em busca de reconhecimento e respeito e nem tampouco gerar por si s promoo de pedagogias mais engendradas na cultura local, mas com certeza deixar questionamentos e inquietaes, estimulando a reflexo sobre a naturalidade das aes humanas formativas, especialmente na educao fsica onde a pesquisa em gnero e sexualidade vem assumindo lugar de produo e reflexo.

Veja o artigo completo: PDF