Resumo Trabalho

ENSINO E CULTURA AFRICANA, AFRO-BRASILEIRA E LUSITANA: PRÁTICAS E VIVÊNCIAS EDUCATIVAS - CASO CABO VERDE

Autor(es): ROSA MARIA SEMEDO DA VEIGA FREIRE

O presente texto pretende, em conformidade com o tema proposto na Mesa-Redonda Estudos, pr√°ticas e viv√™ncias educativas no contexto africano, brasileiro e portugu√™s, durante o primeiro Simp√≥sio Internacional de Ensino e Cultura Afro-Brasileira e Lusitanas (SINAFRO), trazer para o debate algumas reflex√Ķes no √Ęmbito das pr√°ticas e viv√™ncias educativas ‚Äď caso Cabo Verde (√Āfrica). O texto resultou de uma pesquisa explorat√≥ria bibliogr√°fica e reflex√Ķes sa√≠das de experi√™ncias vividas na pr√°tica docente em Cabo Verde. Portanto, se enquadra dentro de uma pesquia qualitativa. Um dos arcabou√ßos te√≥ricos que engendrou a estrura√ß√£o do texto √© a quest√£o √©tnico racial e sua rela√ß√£o com a educa√ß√£o e o ensino. Com uma forma√ß√£o hist√≥rica comp√≥sita por duas val√™ncias culturais, √Āfrica e Europa, todo o seu sistema pol√≠tico,social e cultural foram perpassados por elementos culturais desses dois polos numa aut√™ntica peleja de afirma√ß√£o hegem√≥nica: na √©poca colonial uma educa√ß√£o elitista, predat√≥ria e discriminat√≥ria; e na √©poca p√≥s independente, preso as amarras do colonial. Isto tem diluido Africa em Cabo verde e em particular no sistema educativo acarretando s√©ries de indefini√ß√Ķes na quest√£o identit√°ria: Somos africanos? Somos Cabo-Verdianos? Ou Somos Europeus? A resposta e a anula√ß√£o destas indefini√ß√Ķes passa por mudan√ßas no Sistema Nacional de Educa√ß√£o.

Veja o artigo completo: PDF