Artigo Anais III SINPROVS

ANAIS de Evento

ISSN: 978-85-7946-272-6

ACÚMULO E DECOMPOSIÇÃO DE SERAPILHEIRA EM ÁREAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS SUCESSIONAIS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO

Palavra-chaves: OLSON, LITTER, MOLDE VAZADO Comunicação Oral (CO) AT 01. Manejo de água e solo
"2018-05-07 00:00:00"
App\Base\Administrativo\Model\Artigo {#1639
  +table: "artigo"
  +timestamps: false
  +fillable: array:13 [
    0 => "edicao_id"
    1 => "trabalho_id"
    2 => "inscrito_id"
    3 => "titulo"
    4 => "resumo"
    5 => "modalidade"
    6 => "area_tematica"
    7 => "palavra_chave"
    8 => "idioma"
    9 => "arquivo"
    10 => "created_at"
    11 => "updated_at"
    12 => "ativo"
  ]
  #casts: array:14 [
    "id" => "integer"
    "edicao_id" => "integer"
    "trabalho_id" => "integer"
    "inscrito_id" => "integer"
    "titulo" => "string"
    "resumo" => "string"
    "modalidade" => "string"
    "area_tematica" => "string"
    "palavra_chave" => "string"
    "idioma" => "string"
    "arquivo" => "string"
    "created_at" => "datetime"
    "updated_at" => "datetime"
    "ativo" => "boolean"
  ]
  #connection: "mysql"
  #primaryKey: "id"
  #keyType: "int"
  +incrementing: true
  #with: []
  #withCount: []
  #perPage: 15
  +exists: true
  +wasRecentlyCreated: false
  #attributes: array:35 [
    "id" => 40274
    "edicao_id" => 86
    "trabalho_id" => 58
    "inscrito_id" => 353
    "titulo" => "ACÚMULO E DECOMPOSIÇÃO DE SERAPILHEIRA EM ÁREAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS SUCESSIONAIS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO"
    "resumo" => "Em áreas de caatinga é perceptível à falta de relação entre estudos que avaliem o acúmulo e a decomposição da serapilheira. Nesse contexto, o presente trabalho tem como objetivo avaliar o acúmulo e a decomposição de serapilheira em vegetação de Caatinga em diferentes estágios sucessionais de regeneração, no Semiárido paraibano. Para a realização deste estudo foram selecionadas três áreas, com vegetação em diferentes estágios sucessionais, assim caracterizadas: área em estágio primário, área em estágio secundário e área em estágio tardio de regeneração natural. Para a realização deste estudo foram selecionadas três áreas, com vegetação em diferentes estágios sucessionais, assim caracterizadas: área em estágio primário, área em estágio secundário e área em estágio tardio de regeneração natural. Foi coletada toda a serapilheira circunscrita na moldura para secagem em estufa a 65ºC até atingir peso constante, sendo posteriormente pesados em balança de precisão. Foi calculado o valor de (k), e a partir desse valor foi calculado o tempo médio de renovação estimado por 1/k e os tempos necessários para que ocorra decomposição de 50% (t 0,5) e 95% (t 0,05) da serapilheira. A área em estágio avançado de regeneração natural apresentou o maior acúmulo de serapilheira. As condições edafoclimáticas das áreas experimentais proporcionaram condições para uma menor decomposição da serapilheira."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "AT 01. Manejo de água e solo"
    "palavra_chave" => "OLSON, LITTER, MOLDE VAZADO"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV105_MD1_SA1_ID353_04042018083504.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:24"
    "updated_at" => "2020-06-10 12:58:04"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "WHENDERSON THALMER DE MEDEIROS SILVA"
    "autor_nome_curto" => "SILVA"
    "autor_email" => "whenderson.ob@gmail.com"
    "autor_ies" => null
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iii-sinprovs"
    "edicao_nome" => "Anais III SINPROVS"
    "edicao_evento" => "III Simpósio Nacional de Estudos para a Produção Vegetal no Semiárido"
    "edicao_ano" => 2018
    "edicao_pasta" => "anais/sinprovs/2018"
    "edicao_logo" => "5e4d837f4ee5d_19022020155039.png"
    "edicao_capa" => "5f1880cbf32a5_22072020150915.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2018-05-07 00:00:00"
    "publicacao_id" => 54
    "publicacao_nome" => "Revista SINPROVS"
    "publicacao_codigo" => "978-85-7946-272-6"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #original: array:35 [
    "id" => 40274
    "edicao_id" => 86
    "trabalho_id" => 58
    "inscrito_id" => 353
    "titulo" => "ACÚMULO E DECOMPOSIÇÃO DE SERAPILHEIRA EM ÁREAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS SUCESSIONAIS NO SEMIÁRIDO PARAIBANO"
    "resumo" => "Em áreas de caatinga é perceptível à falta de relação entre estudos que avaliem o acúmulo e a decomposição da serapilheira. Nesse contexto, o presente trabalho tem como objetivo avaliar o acúmulo e a decomposição de serapilheira em vegetação de Caatinga em diferentes estágios sucessionais de regeneração, no Semiárido paraibano. Para a realização deste estudo foram selecionadas três áreas, com vegetação em diferentes estágios sucessionais, assim caracterizadas: área em estágio primário, área em estágio secundário e área em estágio tardio de regeneração natural. Para a realização deste estudo foram selecionadas três áreas, com vegetação em diferentes estágios sucessionais, assim caracterizadas: área em estágio primário, área em estágio secundário e área em estágio tardio de regeneração natural. Foi coletada toda a serapilheira circunscrita na moldura para secagem em estufa a 65ºC até atingir peso constante, sendo posteriormente pesados em balança de precisão. Foi calculado o valor de (k), e a partir desse valor foi calculado o tempo médio de renovação estimado por 1/k e os tempos necessários para que ocorra decomposição de 50% (t 0,5) e 95% (t 0,05) da serapilheira. A área em estágio avançado de regeneração natural apresentou o maior acúmulo de serapilheira. As condições edafoclimáticas das áreas experimentais proporcionaram condições para uma menor decomposição da serapilheira."
    "modalidade" => "Comunicação Oral (CO)"
    "area_tematica" => "AT 01. Manejo de água e solo"
    "palavra_chave" => "OLSON, LITTER, MOLDE VAZADO"
    "idioma" => "Português"
    "arquivo" => "TRABALHO_EV105_MD1_SA1_ID353_04042018083504.pdf"
    "created_at" => "2020-05-28 15:53:24"
    "updated_at" => "2020-06-10 12:58:04"
    "ativo" => 1
    "autor_nome" => "WHENDERSON THALMER DE MEDEIROS SILVA"
    "autor_nome_curto" => "SILVA"
    "autor_email" => "whenderson.ob@gmail.com"
    "autor_ies" => null
    "autor_imagem" => ""
    "edicao_url" => "anais-iii-sinprovs"
    "edicao_nome" => "Anais III SINPROVS"
    "edicao_evento" => "III Simpósio Nacional de Estudos para a Produção Vegetal no Semiárido"
    "edicao_ano" => 2018
    "edicao_pasta" => "anais/sinprovs/2018"
    "edicao_logo" => "5e4d837f4ee5d_19022020155039.png"
    "edicao_capa" => "5f1880cbf32a5_22072020150915.jpg"
    "data_publicacao" => null
    "edicao_publicada_em" => "2018-05-07 00:00:00"
    "publicacao_id" => 54
    "publicacao_nome" => "Revista SINPROVS"
    "publicacao_codigo" => "978-85-7946-272-6"
    "tipo_codigo_id" => 1
    "tipo_codigo_nome" => "ISSN"
    "tipo_publicacao_id" => 1
    "tipo_publicacao_nome" => "ANAIS de Evento"
  ]
  #changes: []
  #classCastCache: []
  #dates: []
  #dateFormat: null
  #appends: []
  #dispatchesEvents: []
  #observables: []
  #relations: []
  #touches: []
  #hidden: []
  #visible: []
  #guarded: array:1 [
    0 => "*"
  ]
}
Publicado em 07 de maio de 2018

Resumo

Em áreas de caatinga é perceptível à falta de relação entre estudos que avaliem o acúmulo e a decomposição da serapilheira. Nesse contexto, o presente trabalho tem como objetivo avaliar o acúmulo e a decomposição de serapilheira em vegetação de Caatinga em diferentes estágios sucessionais de regeneração, no Semiárido paraibano. Para a realização deste estudo foram selecionadas três áreas, com vegetação em diferentes estágios sucessionais, assim caracterizadas: área em estágio primário, área em estágio secundário e área em estágio tardio de regeneração natural. Para a realização deste estudo foram selecionadas três áreas, com vegetação em diferentes estágios sucessionais, assim caracterizadas: área em estágio primário, área em estágio secundário e área em estágio tardio de regeneração natural. Foi coletada toda a serapilheira circunscrita na moldura para secagem em estufa a 65ºC até atingir peso constante, sendo posteriormente pesados em balança de precisão. Foi calculado o valor de (k), e a partir desse valor foi calculado o tempo médio de renovação estimado por 1/k e os tempos necessários para que ocorra decomposição de 50% (t 0,5) e 95% (t 0,05) da serapilheira. A área em estágio avançado de regeneração natural apresentou o maior acúmulo de serapilheira. As condições edafoclimáticas das áreas experimentais proporcionaram condições para uma menor decomposição da serapilheira.

Compartilhe:

Visualização do Artigo


Deixe um comentário

Precisamos validar o formulário.